Zaqueu Goes: Uma história que se confunde com suas imagens

- Kaippe Arnon Silva Reis - - 12 de Maio de 2014 | - 6:46 - - Home » 4ª Edição» Mais Glória - - Sem Comentários

Toda vez que passa alguma matéria no Globo Repórter ou no Discovery Channel sobre tartarugas marinhas, eles sempre dizem que elas viajam o mundo, mas sempre voltam à sua praia de origem. No mundo dos seres humanos existe um provérbio citado por avós “O bom filho a casa torna”. Zaquel Goes é um dos mais renomados repórteres cinematográficos do estado com diversos prêmios, mas, assim como as tartarugas, nunca se esqueceu da sua praia.

Nasceu em Monte Alegre de Sergipe no dia 27 de dezembro de 1962, um presente atrasado do Papai Noel. Passou um tempo em Nossa Senhora das Dores, mas foi Nossa Senhora da Glória a cidade que escolheu para amar, cidade essa que o retribui com o carinho dos bons amigos que o cercam. Em 1982, resolve partir em direção ao mar, vai a Aracaju onde por dois anos trabalhou na NM Publicidade, no começo como office-boy, posteriormente no departamento de arte. A partir daí, deu seus primeiros passos na carreira de repórter cinematográfico, juntamente com seu primo Wilson Goes, que lhe ensinou o ofício de cinegrafista. Em 1986 foi admitido na Rádio e Televisão de Sergipe, trabalhando no departamento de jornalismo como repórter cinematográfico, até o início dos anos 90. Nesse mesmo, ano além de fazer vários comerciais e documentários para televisão, foi para o Rio de Janeiro. Lá trabalhou na Savaget Produções para cinema e TV, onde produzia imagens dos diversos rincões brasileiros para o programa Globo Ecologia, da Fundação Roberto Marinho, e fez a cobertura completa do Rio Eco 92 e entre tantas belas reportagens, por quase todo Brasil, guarda as memoráveis lembranças dos 92 anos de Oscar Niemeyer. Como boa tartaruga que é, no final de 1992 retornou a Aracaju trabalhando como freelancer por aproximadamente dois anos. Em 1994, trabalhou nas gravações da campanha política e, nesse meio tempo, se tornou pai dividindo o lar com sua esposa Rosilene e seu rebento Arthur Ives que, um tempo depois, ganharia alguém para cuidar: a irmã Nathália.

Em 1998 retornou para a TV Sergipe fazendo jornalismo diário e matérias para a rede. Assim, gravou matérias para o Jornal Nacional, Jornal Hoje, Bom Dia Brasil e Globo Rural, trabalhando com as repórteres Aline Hungria (in memoriam) e Carla Suzana. Zaqueu Goes não é apenas um presente dos céus para o nordeste, mas um presente nordestino para Nossa Senhora da Glória. Como repórter cinematográfico, fez algumas matérias que lhe renderam prêmios:

1º Lugar – III Prêmio Banco do Brasil de Jornalismo;
1º Lugar – IV Prêmio Banco do Brasil de Jornalis
mo;
1º e 2º Lugares – Prêmio Direitos Humanos Petrobras
de jornalismo;
1º Lugar – na categoria Jornalismo Televisão no I Prêmio
SUS Sergipe de Jornalismo;
2º Lugar – Nacional na categoria Reportagem de
Televisão – Prêmio Embrapa de Reportagem 2002

Kaippe Arnon Silva Reis

Por: Kaippe Arnon Silva Reis

Comunicador formado pela Universidade Federal de Sergipe e artista nas horas vagas.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: Zaqueu Goes: Uma história que se confunde com suas imagens