Poesia como forma de consciência

- Edivan Santos - - 11 de junho de 2014 | - 9:12 - - Home » 10ª Edição» Cultura» Mais Glória - - Sem Comentários

 CAPA“Poesia é uma forma de estar conscien­te do mundo” essa é a frase que mais define a obra do poeta Ramon Diego.

Poeta gloriense, o autor do li­vro Viagem Rasa, transita pe­los caminhos do pensamento e a estaciona na beleza de compor poemas e máximas que nos definem de forma simples e agradável à poesia e à literatura.

Ferreira Gullar, um dos maiores poetas de todos os tempos, certa vez disse: “Pretendo que a poesia tenha a virtude de , em meio ao sofrimento e o desamparo, acender uma luz qual­quer, uma luz que não nos é dada, que não desce dos céus, mas que nasce das mãos e do espírito dos homens.” Essa frase é a primeira que está no li­vro Toda Poesia, de Ferreira Gullar. É essa máxima que nos remete à forma como o poeta Ramon Diego nos mos­tra o mundo em seus poemas, a forma de sentir a realidade e expressão.

Ramon Diego utiliza elementos do dia – a – dia pra nos lembrar de que a poesia está mais próxima de nós, que podemos tê-la em nossas vidas em todos os momentos, basta perce­bermos. Quando o poeta é questiona­do sobre o motivo de escrever, ele diz: “as coisas tem se tornado tão rápidas no mundo todo, eu creio que não sei por qual motivo eu escrevo, mas pen­so que se houvesse um, seria para que,  através da minha poesia, eu pudesse ter um tempo para a reflexão sobre as coisas do mundo. É uma linguagem minha através da qual o meu raciocí­nio flui, entende?”.

A poesia de Ramon nos causa uma angústia de pensamento, de re­flexão e impassividade perante o mun­do que vivemos. O poeta nos remete às formas de viver e ao modo como vemos o mundo pelos seus olhos, ar­tista da palavra. A relação de vivência e experiência de tais artistas com os homens. Tal qual disse Gullar; “O po­eta fala dos outros homens e pelos outros homens, mas só na medida em que fala de si mesmo, só na medidaem que se confunde com os demais.”.

Recentemente Ramon Diego lan­çou seu livro de poemas Viagem Rasa, o qual teve ilustrações da artista plás­tica Sandra Hiromoto, mundialmente conhecida pelos seus trabalhos grá­ficos. O livro foi publicado de forma original, seus leitores patrocinaram a publicação através de uma campanha no facebook. No dia do lançamento o poeta fez a distribuição gratuita dos exemplares para todos os presentes evento.

Como nos diz o poeta; “O livro ser lançado com o aval dos meus lei­tores é algo muito simbólico, assim como o ato de publicar de forma total­mente independente. O livro também será doado no lançamento em Glória, como uma ação de democratização da literatura produzida na cidade”.

Dessa forma, fica fácil perce­bermos a maneira como os textos de Ramon Diego são bem aceitos e a sua forma de fazer literatura. Seus textos provocam, no mínimo, vontade de lei­tura e despertam, de imediato, a pai­xão pela poesia.

Edivan Santos

Por: Edivan Santos

Graduado em filosofia pela Universidade
Federal de Sergipe, membro
do Viva Vox (Grupo de pesquisa em
filosofia clássica e contemporânea),
foi editor da Revista Periclésia:
Periódico de filosofia e literatura .
Dizem que é poeta. É colunista, do
Obvious, Jornal de Sergipe e Portal RB Agora. Escreve sobre
arte, cultura, literatura, folclore.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: Poesia como forma de consciência