Os jovens podem

- Mateus Barboza - - 15 de agosto de 2016 | - 5:32 - - Home » 22ª Edição» Mais Glória - - Sem Comentários

Há um forte discurso no imaginário social que os jovens não gostam de ler e escrever. Este pensamento advém dos resultados de avaliações realizadas pelo Ministério da Educação (MEC) e outros órgãos internacionais, mas o que observamos, diante do número de estudantes que frequentam as salas de aula de nossas escolas é que esta ideia não é verdadeira, pois encontramos jovens debruçados nos livros e em folhas brancas a procura de transformar o sentido desses objetos.

Na verdade, o que falta a inúmeros jovens é simplesmente a oportunidade. Esta minha fala surge a partir de uma recente pesquisa científica realizada no Colégio Estadual 28 de Janeiro no município de Monte Alegre de Sergipe e dos movimentos em prol da leitura e escrita como é o caso do trabalho que alguns professores do nosso alto sertão sergipano fazem em busca de lapidar seres entusiasmados com o universo das palavras.

O universo da escrita possibilita adentrar em um mundo infinito cheio de surpresas e realizações. Ao produzir uma crônica, poema ou um conto vários conhecimentos, discursos, vozes são levantadas para auxiliar na construção dos novos textos. Os estudantes sabem fazer isso. Nós professores só vamos moldando o texto para ele ter um melhor entendimento.

Hoje, o nosso sertão regozija com o número de jovens escritores. Assistimos movimentos em todos os municípios como é o caso de Nossa Senhora da Glória. Nós de Monte Alegre de Sergipe estamos nessa navegação graças às parcerias feitas e ao apoio dos estudantes, pais, professores. Escrever não é fácil, mas não é tão difícil. Todos nós somos capazes, mas é preciso querer e oportunizar.

Visualizamos diversos projetos que são desenvolvidos com incentivo à escrita e à leitura no nosso sertão:
• Encontro de Escritores de Canindé de São Francisco, Nossa Senhora da Glória e Monte Alegre de Sergipe;
• Oficinas Literárias promovidas pela Academia Gloriense de Letras;
• Oficina de Criação de Crônicas e poesias no Colégio Estadual 28 de Janeiro;
• Oficina de Leitura no Colégio Estadual 28 de Janeiro;
• Pesquisa Científica com apoio da FAPITEC SE;
• Concursos literários.

Nada de reproduzir o discurso que jovens não querem nada, pois eles querem espaço, acolhimento, alguém que olhe para o seu ser. Isso tudo é garantia de ampliação de horizonte. Sejamos mais esperançosos e atenciosos com a juventude. Nosso sertão precisa de novas vozes e estas precisam ser ouvidas.

da Revista MAIS GLÓRIA (… “Nunca pensei que essa simples ideia, fosse render tantos frutos”). E foi através dessa iniciativa que, em dois anos de gestão a escola foi Manchete no Cinform :“ ESCOLA PÚBLICA DO SERTAO DÁ AULA DE ORGANIZAÇAO”.

É valido lembrar que, de início era colhido na horta apenas a couve e coentro. Mas, durante esses quatro anos e meio a produção vem sendo diversificada e já pode ser colhido além das verduras citadas o quiabo, o pimentão, o tomate e a cebolinha. A diversificação da produção só foi possível, depois de cadastrar a Escola no Programa Mais Educação no Macro Desenvolvimento Sustentável onde o MEC, libera os recursos na conta da escola para manter essa atividade assim como as demais amparadas pelo “Programa”. E, além do Governo Federal, o prefeito Chico do Correio não tem medido esforços e recursos para manter essa excelente iniciativa funcionando.

Vale ressaltar que, o forte da produção é a couve e que o excedente da produção semanal é distribuído com os alunos para levar para casa na sexta feira.

Portanto, “Pioneirismo” é a marca desse gestor e sua equipe que, com planejamento, determinação e dedicação é possível sim, fazer a diferença! Parabéns ao Mestre Manoel e a toda sua equipe desta comunidade talentosa.

Mateus Barboza

Por: Mateus Barboza

Acadêmico em Administração, Designer, Fundador do Marketing com Café e Podcaster.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: Os jovens podem