Oito bandas nordestinas para conhecer outro Nordeste

- Euvaldo Lima - - 26 de junho de 2014 | - 12:28 - - Home » 12ª Edição» Bagaceira Talhada» Mais Glória - - Sem Comentários

bagaceiraApesar de vendido pela mí­dia que forró e axé pre­dominam no Nordeste, a cena regional é bastante variada percorrendo desde o reggae de São Luís até o maraca­tu pernambucano. Inúmeras bandas com som alternativo são formadas de norte ao sul da região. Algumas des­tas chegam a ter um espaço na mídia como os baianos da Vivendo do Ócio que possuem considerável sucesso no underground paulista tendo tido al­gum espaço na antiga MTV. Em todos os estados da região existem bandas com som alternativo. Confira 8 destas bandas:

1- Vivendo do Ócio (BA)

A banda foi iniciada por Jajá Cardoso e Luca Bori que procuravam um baterista na web e acharam Sheik Musser. Precisando de um guitarrista o Luca chamou o irmão Davide Bori. Só que o tal Sheik saiu do grupo e quem entrou foi Diego (Dieguito) Reis que por sua vez tem descendência sergipana. Após o período ini­cial com adaptação de som (que tem influência de Strokes e Los Hermanos) e chegada de membros, em 2008 eles lançaram o clipe “Amor em Fúria” e depois o CD “Teorias de Amor Moderno”, ambos na internet. Ainda em 2008, a banda parti­cipou do reality show GAS Sound promovido pelo Guaraná Antártica na Rede TV!. Por terem vencido o programa eles tiveram direito de gravar e lançar um álbum na Deckdisc. Fruto disso foi o “Nem Sempre Tão Normal” que é uma versão mais encorpada do primeiro CD.

2- Cidadão Instigado (CE)

O grupo começou em 1994, quase vinte anos atrás, com Fernando Catatau que cuida do arranjo e da composição das letras. As músicas da banda recebem influ­ência do rock dos anos 70 e da música regional nordestina, algumas vezes com um toque sentimental fazendo referência ao estilo brega. Apesar de tanto tempo na estrada, os cearenses só lançaram o primeiro álbum, “O Ciclo da Decadência” em 2002. Três anos depois viria o segundo disco chamado “Cidadão Instigado e o Método Túfo de Experiências”. Por último, em 2009, eles lançaram o “UHUUU!” patrocinado pela Fundarte e contando com participação do ex-Titãs Arnaldo An­tunes e o ex-Ira! Edgard Scandurra.

3- Mombojó (PE)

Os Power Rangers nordestinos começaram em 2001 e no ano seguinte já faziam sucesso no renomado “Abril Pro Rock” chamando atenção da mídia especializa­da. Em 2004 eles lançaram o primeiro CD “Nadadenovo” patrocinado pelo go­verno pernambucano. O trabalho naquele ano rendeu a eles o prêmio de Melhor Grupo Musical pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) e também um contrato com a Trama por onde lançou dois anos depois seu segundo álbum, o “Homem-Espuma”. Mas foi apenas em 2010, com o lançamento de “Amigo do Tempo” que eles colocaram suas roupas coloridas e foram salvar o mundo com seu Megazord-Geladeira.

4- The Baggios (SE)

A banda de São Cristóvão começou em 2004 mas, o dueto atual, Júlio Andra­de (guitarra e voz) e Gabriel Carvalho (bateria), está na estrada desde 2008. O nome do grupo vem do andarilho “Baggio” que perambulava pela cida­de natal ao qual eles homenageiam na música “Baggio Sedado”, mesmo título do documentário sobre a figura da ci­dade. A faixa está presente no primeiro CD intitulado “The Baggios” lançado pela Vigilante. No ano passado os ser­gipanos lançaram o seu segundo CD “Sina” e depois partiram para duas tur­nês. O novo disco foi citado em vários dos principais veículos como um dos melhores do ano e a música “Sem Con­dição” foi dita pela Rolling Stone como uma das 25 melhores de 2013 citando as influências que fazem o som do “The Baggios”.

5- Selvagens à Procura da Lei (CE)

A Selvagens à Procura de Lei é uma das mais precoces bandas das lista­das. O grupo começou em 2009 e no ano seguinte já lançava dois EPs (“Tal­vez Eu Seja Mesmo Calado, Mas Eu Sei Exatamente o Que Eu Quero” e “Suas Mentiras Modernas”) com hits “Doce/ Amargo” e “Mucambo Cafundó” que chamavam o público fortalezense para os seus shows. Em 2011 eles partiram para Recife para gravar o disco “Apren­dendo a Mentir” que mesclou hits e cinco músicas inéditas. O primeiro ál­bum impulsionou a banda no cenário nacional concorrendo ao VMB e subin­do ao palco do Prêmio Multishow com Capital Inicial. Em 2013, diversas listas citaram “Selvagens à Procura de Lei”, o disco mais recente da banda, como um dos melhores do ano. O novo dis­co foi lançado em junho, mês em que as manifestações estouraram pelo país à fora e algumas das músicas dialoga­vam com este momento histórico e as letras figuravam cartazes em meio às manifestações na capital cearense.

6- Seu Pereira e Coletivo 401 (PB)

As músicas poéticas que põem o dedo na ferida ou simplesmente sobre o co­tidiano são a marca do grupo paraiba­no Seu Pereira e Coletivo 401. No disco que leva o nome da própria banda, a música “Cabidela” é uma das que mais chama atenção por fazer um retrato do que se passa no país e em metrópoles como João Pessoa. Eles, de uma forma lírica, apontam problemas como droga, pobreza, fome e a miséria humana de uma maneira geral. Segundo a página da banda no Facebook, 2014 será o ano do seu novo CD.

7- Eddie (PE)

Regada de diversas influências e sono­ridades que passam pelo frevo, samba, maracatu e até o pop rock, a banda Eddie nasceu no início dos anos 90 na cidade de Olinda e estourou junto ao Mangue Beat. Por ser dito a cara de Olinda, o grupo junta fãs a cada ano que passa. Exceto o seu primeiro CD, todos foram lançados de maneira in­dependente e todos estes, do primei­ro em 1998 até o último de 2011 estão disponíveis para download no site da banda.

8- Maglore (BA)

Nascida em 2009, Maglore já foi geri­da quase simultaneamente com o seu primeiro EP “Cores do Vento”. Dois anos mais tarde veio o disco “Veroz” que trouxe reconhecimento nacional à banda sendo dita como uma das re­velações do ano. Após considerável su­cesso, a banda se mudou para São Pau­lo e no ano passado lançou “Vamos Pra Rua” figurando em alguns sites como um dos melhores do ano.

Fonte: Bagaceira Talhada

Euvaldo Lima

Por: Euvaldo Lima dos Reis

Comerciante, Poeta Feiranovense, Esposo da Pedagoga Marta Maria da Silva Reis, divide com Deus a paternidade de quatro estrelas denominadas, LIZZE, BRIZZA, KAIPPE e KAIZZE. Autor do livro de poesia um sopro em versos, de dezenas de cordéis, participou das antologias, Retalhos, Unidos na Fé, e no mês 02/12, classificou 04 das cinco poesias num concurso no Tocantins á nível de Brasil, qual será publicada na antologia “Veloso 2012”, Foi um dos diretores da revista flash, membro das diretorias de diversos órgãos sociais voltados para o voluntariado na região, idealizador e diretor geral do projeto Revista Maisglória.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: Oito bandas nordestinas para conhecer outro Nordeste