O sol e o câncer de pele

- Emerson Ferreira da Costa - - 23 de Maio de 2014 | - 7:56 - - Home » 7ª Edição» Mais Glória» Saúde - - Sem Comentários

osol-saudeO sol, imprescindível para a vida em nosso planeta, através da produção de luz, calor e das radiações incidentes sobre a superfície terres­tre, exerce inúmeros efeitos benéfi­cos, que vão desde a fotossíntese, da influência sobre as marés, até a sua comprovada ação antidepressiva. En­tretanto, alguns efeitos negativos são conhecidos.

Envelhecemos com o passar do tempo. Existem fatores inerentes ao nosso organismo que promovem al­terações, com o passar dos anos, que nos levam ao envelhecimento cronológico. São os fatores intrínse­cos, relacionados à genética, às altera­ções hormonais e metabólicas.

Adicionalmente, existem os fato­res extrínsecos, com destaque para o sol. O estado de Sergipe se encontra em uma região geográfica submetida a níveis elevados de radiação ultra­-violeta. Logo, a exposição solar acu­mulada ao longo da vida acelera o envelhecimento cutâneo. Uma pessoa adulta pode facilmente comprovar esta consequência, ao comparar com pele menos fotolesada e, em consequ­ência, com menor incidência de cân­cer de pele.

A fotoproteção é a grande arma que temos para este combate. Junta­mente com o uso de roupas adequa­das, chapéus, bonés e óculos, um filtro solar adequado ao tipo de pele e utilizado de modo adequado podem garantir uma boa proteção.

O filtro solar protege com se­gurança por até duas horas, quan­do em exposição contínua, devendo ser repassado após este período ou, imediatamente, após imersão na água.

Emerson Ferreira da Costa

Por: Emerson Ferreira da Costa

Formado em Medicina, ex-chefe do
departamento de medicina da Universidade
federal de Sergipe, além de
vereador da cidade de Aracaju.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: O sol e o câncer de pele