O cemitério das obras de arte

- Ramon Diego - - 20 de Maio de 2014 | - 8:09 - - Home » 6ª Edição» Cultura» Mais Glória - - Sem Comentários

DSC_0037

Quem se dirigir ao povoado Algodoeiro, localizado a aproximadamente vinte quilômetros da zona ur­bana de Nossa Senhora da Glória, di­ficilmente não se surpreenderá com uma cena que inspira reflexão. Um verdadeiro cemitério de obras de arte se configura em meio a estrada que desemboca na barragem de tal loca­lidade.

DSC_0015As obras são do artista plástico Junior Leônio, conhecido nacional­mente pelo seu trabalho em metal e suas esculturas de ideologia susten­tável. O artista revelou que, a falta de uma estrutura para expor suas peças, assim como o descaso do poder pú­blico, baseado nas administrações anteriores, culminou para que seus trabalhos fossem literalmente EN­TERRADOS.

Junior Leônio, ganhador de vá­rios prêmios em exposições dentro e fora do estado, repre­sentando, por meio dos seus argumentos de metal e carbo­no, a sua cidade, tal qual seu povo e sua cultura, agora se vê obri­gado a deixar DSC_0043suas ideias morrerem diante dos seus olhos. Tudo isso como uma forma de protesto pela morte do trabalho de muitos artistas que, ao esculpirem ou produzirem suas obras, sentem uma escassez de espaços e eventos para a promoção e divulgação das mesmas.

Incitando em seu protesto, um novo olhar sobre a criação que se deixa morrer, que morre e que con­tinuará morrendo, en­quanto continuemos à margem, estagnados, situados em frente à boca da mata.

Ramon Diego

Por: Ramon Diego

Escritor, estudante de letras português/francês, poeta residente em Nossa senhora da Glória e editor da revista impressões, além de colaborador dos jornais “Correio de Sergipe” e “O regional”.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: O cemitério das obras de arte