Mirando as ondas do mar

- Euvaldo Lima - - 15 de agosto de 2016 | - 4:56 - - Home » 19ª Edição» Mais Glória - - Sem Comentários

O advogado Henri Clay Andrade, sergipano natural de Lagarto, em visita ao seu Estado natal, de onde saiu para exercer o cargo de Conselheiro Federal da Ordem dos Advogados do Brasil nacional, em Brasília, fez questão de comparecer à cidade de Nossa Senhora da Glória, no dia 01/07/15, a convite de amigos e colegas de profissão do escritório VCR Advocacia.

A visita não foi apenas de cortesia. Em uma reunião que contou com a presença de inúmeros advogados da região, ocorrida no restaurante “Celeiro Grill”, foram discutidos os problemas da classe no alto sertão sergipano, de quem ouviu as mais diversas queixas.

O advogado é o meio pelo qual o cidadão busca o Judiciário. É através dele que se busca garantir a aplicação da Lei, quando violada. O Juiz, neutro na sua função de julgar, toma conhecimento das reclamações das pessoas através das petições dos advogados, que traduzem para a linguagem da Lei os problemas que, inevitavelmente, ocorrem na vida em sociedade. E a nenhum cidadão é dado o direito de exercer arbitrariamente suas razões.

Isso significa que uma advocacia fraca é também uma cidadania enfraquecida. Entre as queixas denunciadas pelos colegas do sertão estão: falta de respeito em delegacias e no próprio Poder Judiciário, ausência de estrutura de trabalho nos fóruns, desunião da classe, aviltamento dos honorários e muitos outros.

A advocacia sergipana ainda lembra de uma época em que o advogado era respeitado no exercício da profissão, e a OAB/SE era protagonista das grandes questões sociais, quando o sempre combativo Dr. Henri Clay presidiu a Seccional Sergipe, e é por isso que grande parte deles clama pela sua volta ao mais alto cargo da Diretoria da OAB/SE.

A música “Cheiro da terra”, de autoria atribuída a Chiko Queiroga e Antônio Rogério foi, na verdade, composta pelo também advogado Dr. Cláudio Miguel, e fala de saudade e da vontade de retornar às praias de Atalaia, para ficar “mirando as ondas do mar”.

Da mesma forma, a advocacia sergipana tem saudade de uma época em que ser advogado era sinônimo de orgulho e que a advocacia tinha papel fundamental nas grandes decisões que envolvem a sociedade. O clamor destes advogados é de que o sergipano que nos orgulha em Brasília deixe a região central do Brasil e volte às praias de Atalaia, para ficar “mirando as ondas do mar”.

E foi justamente aqui, em Nossa Senhora da Glória, que buscou e conseguiu inspiração para dar o pontapé inicial nessa jornada, com o apoio dos advogados de nossa região, que certamente não serão esquecidos acaso.

advogados

Euvaldo Lima

Por: Euvaldo Lima dos Reis

Comerciante, Poeta Feiranovense, Esposo da Pedagoga Marta Maria da Silva Reis, divide com Deus a paternidade de quatro estrelas denominadas, LIZZE, BRIZZA, KAIPPE e KAIZZE. Autor do livro de poesia um sopro em versos, de dezenas de cordéis, participou das antologias, Retalhos, Unidos na Fé, e no mês 02/12, classificou 04 das cinco poesias num concurso no Tocantins á nível de Brasil, qual será publicada na antologia “Veloso 2012”, Foi um dos diretores da revista flash, membro das diretorias de diversos órgãos sociais voltados para o voluntariado na região, idealizador e diretor geral do projeto Revista Maisglória.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: Mirando as ondas do mar