História das lanchonetes de Glória

- Euvaldo Lima - - 11 de junho de 2014 | - 12:04 - - Home » 9ª Edição» Mais Glória - - Sem Comentários

Há 32 anos (dezembro/1981) Chapa Rau, começou com uma pequena lanchonete onde atualmente é a Nutry Lanches, tal lanchonete foi a primeira da cidade de Nossa Senhora da Glória.  Após 2 anos, Emanuel sobrinho de Chapa Rau que residida em porto da Folha, veio para a cidade de Glória para trabalhar com seu tio, ficou por 1 ano e depois retornou para seu lugar de origem (Porto da Folha). Após o retorno de Emanuel, foi a vez do Sr. João, que passou a trabalhar para seu tio e sem recursos para pagar aluguel e se manter, passou também a residir na própria lanchonete (inclusive fazer as refeições), passou 3 anos e 7 meses nessa situação, conciliando escola e trabalho. Após esse tempo, o Sr. João teve uma proposta de comprar a lanchonete do Sr. Adelmo (onde hoje é a lanchonete Elvis), como não tinha valor suficiente, utilizou uma moto que possuía e trocou na lanchonete, ficando a diferença para o mesmo pagar a medida que começasse a ter lucros, fato que demorou apenas 30 dias (com esse tempo, João possuía dinheiro suficiente para quitar o débito). Porém, o local não tinha instalações adequadas, tão pouco capital de giro, foi então que os irmãos Ari e Cigano emprestaram material (mesa, cadeira e bandeijas) e Rui de Aidé emprestou um valor para capital de giro, apartir daí as coisas começaram a andar, novos funcionários foram contratados, entre eles o Sr. Alberto (atual proprietário da Nutry Lanches, que também trabalhava na lanchonete de Chapa Rau junto com o Sr. João), A clientela também aumentou em grande escala, principalmente pelo fato de Chapa Rau por problemas pessoais ter vendido sua lanchonete, o fluxo de pessoas era crescente e com isso João contratou o Sr. José Carlos (atual proprietário da JJ Lanches- centro) para cuidar da parte administrativa.

João permaneceu 11 anos e meio com a lanchonete Que tinha o nome de Lanchonete Elvis e posteriormente montou um mercadinho com o mesmo nome, o qual permanece até hoje. Os funcionários de João em sua maioria, faziam parte da família. Com um tempo os funcionários na busca de conseguir ganhar melhores salários perguntavam ao Sr. João o tipo d negócio que eles deveriam buscar, e o mesmo respondia que deveriam montar uma lanchonete pois, o investimento inicial é pequeno, e é um empreendimento bem aceito pelas pessoas. Com isso, boa parte dos seus parentes e ex-funcionários montaram seus empreendimentos, que funcionam até hoje e trouxe grandes estabilidades para os proprietários.

lanchonete

Euvaldo Lima

Por: Euvaldo Lima dos Reis

Comerciante, Poeta Feiranovense, Esposo da Pedagoga Marta Maria da Silva Reis, divide com Deus a paternidade de quatro estrelas denominadas, LIZZE, BRIZZA, KAIPPE e KAIZZE. Autor do livro de poesia um sopro em versos, de dezenas de cordéis, participou das antologias, Retalhos, Unidos na Fé, e no mês 02/12, classificou 04 das cinco poesias num concurso no Tocantins á nível de Brasil, qual será publicada na antologia “Veloso 2012”, Foi um dos diretores da revista flash, membro das diretorias de diversos órgãos sociais voltados para o voluntariado na região, idealizador e diretor geral do projeto Revista Maisglória.

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: História das lanchonetes de Glória