Desmistificando o Sertão

- Glenda Lídice de O. C. Marinho - - 11 de junho de 2014 | - 10:45 - - Home » 10ª Edição» Mais Glória - - Sem Comentários

sertaoA expressão “sertão” é utiliza­da para caracterizar o clima de uma determinada locali­dade e a identidade cultural de seus habitantes. Sua imagem sem­pre foi distorcida e transmitida como uma localidade sem água, sem po­tencial e de impossível sobrevivência. Geograficamente, o problema da seca no sertão é facilitado pelas particula­ridades do clima: chuvas irregulares associadas ao fenômeno da evapo­transpiração. Quando negligenciadas, impõem a escassez de água que repro­duzem os cenários degradantes que a mídia faz questão de destacar todos os anos.

Em pleno século XXI é estranho imaginarmos estar a um passo da cura da AIDS, mas distante da solução para a seca no sertão. Será mesmo? O problema da seca não estará mais as­sociado a questões políticas, sociais e culturais, construídas historicamente, do que com o próprio clima? No mun­do inteiro temos climas extremos e seus habitantes sobrevivem a eles, os povos que habitam o gelo no Círculo Polar Ártico e o deserto do Saara, por exemplo; todos vivem adaptados as suas condições e se mantém ao longo dos séculos. A questão fundamental para o convívio com o sertão não está em “acabar com a seca”, mas adequar­-se a ela.

Felizmente, o povo sertanejo possui a peculiaridade de desenvolver alternativas, que surtem efeito e ge­ram a manutenção da sobrevivência local. Resgatar e motivar o povo serta­nejo, trabalhar as potencialidades lo­cais em conformidade com a realidade local, respeitando o “saber local” mui­tas vezes desprezado pelos “letrados”, são os caminhos para que a história do sertão seja contada de uma forma di­ferente: a seca menos enfatizada em virtude da valorização das potenciali­dades que sempre existiram.

Glenda Lídice de O. C. Marinho

Por: Glenda Lídice de O. C. Marinho

Médica Veterinária, Mestre em
Agroecossistemas (UFS) e Doutoranda
em Ciência Veterinária
(UFRPE).

Enium Interativa Criação de sites

Deixe seu comentário!

Para: Desmistificando o Sertão